Diástase abdominal tem solução além de exercícios?

Diastase Dr Pablo

Já comentamos no último post que a gestação é um momento de intensas mudanças corporais e que podem ocasionar algum tipo de desconforto durante o pós-parto. Uma delas está nos músculos abdominais e muitas mulheres têm na diástase abdominal a consequência menos visível, mas que influencia diretamente a aparência do abdômen neste período.

De forma geral, o afastamento e distensão dos músculos retos durante a gravidez pode não regredir após o tempo determinado. Isso porque estas estruturas são formadas por fibras verticais e paralelas e se dividem pela linha central do abdômen. Ao ocorrer a diástase, o abdome feminino tem seu centro dividido e perda das curvas naturais.

diastase-antes-depois

TATIANA STULBO/SHUTTERSTOCK

Como sei se tenho diástase abdominal

Normalmente, as pessoas com este problemas apresentam uma separação entre os músculos retos e que pode ser identificado por um médico especialista. É importante ficar atento ao problema e buscar orientação, pois como todos os músculos têm função de sustentação do esqueleto e mobilidade, havendo sempre consequências funcionais e estéticas.

Existe um tratamento adequado?

É muito comum ouvir falar de exercícios que combatem a diástase abdominal, porém eles são eficientes somente nos casos mais leves. Para os casos mais avançados, a cirurgia plástica é a mais indicada e pode ser realizada até 6 meses após o parto. Porém é importante ponderar em qual momento o bebê não dependerá tanto da mãe para que esta se submeta a um procedimento cirúrgico.

A abdominoplastia é o procedimento mais completo e que pode ser aplicado para juntar os músculos retos que sofreram diástase, além disso melhora a aparência da região abdominal retirando também o excesso de pele e gordura.