FRONTOPLASTIA

O envelhecimento facial é um processo gradual, que começa a se manifestar como rugas horizontais na região da testa por volta dos 30 anos de idade. Quando se chega aos 40 anos, as linhas horizontais começam a se aprofundar e as rugas verticais tornam-se mais visíveis na região glabelar (entre as sobrancelhas). Essas mudanças são seguidas pela queda das sobrancelhas abaixo das margens supraorbitais, dobrando as pálpebras superiores à medida que o envelhecimento continua.

A queda das sobrancelhas e da glabela altera significativamente a região, tornando-a desagradável do ponto de vista estético. O resultado global é uma configuração que transmite idade, tristeza e raiva.

A anatomia da testa, ao contrário de outras partes da face, é mais propensa à formação de rugas e sulcos porque a pele e os músculos estão intimamente relacionados. Com pouco ou nenhum tecido subcutâneo entre a pele e o músculo, essa relação anatômica próxima leva a uma transmissão direta do movimento muscular para a pele sobrejacente, resultando em rugas e sulcos profundos.

Frontoplastia é o conjunto de procedimentos cirúrgicos específicos para rejuvenescimento da região frontal (testa). Conforme o caso, a técnica pode ser aberta (convencional), com cicatrizes reduzidas (lifting temporal) ou videoendoscópica (com cicatrizes mínimas).

É uma técnica cirúrgica muito procurada e que permite resultados satisfatórios. Mais comumente, o procedimento envolve a região da testa, sobrancelhas e região temporal.

Em específico, os pontos a serem tratados são:

  • As sobrancelhas, que serão elevadas, podendo ter sua forma também alterada, ficando mais arqueadas.
  • A musculatura da glabela (região entre as sobrancelhas) que será suavizada, melhorando o aspecto de tristeza, cansaço ou raiva que a ação exagerada destes músculos proporciona;
  • A linha capilar da testa, em pacientes que apresentam testa longa ou grande, com linha capilar frontal muito elevada, poderá ser avançada para frente, diminuindo o tamanho da testa.
  • Em pacientes com proeminências supraorbitárias (proeminências na região das sobrancelhas e entre estas), ocasionando um aspecto triste ou agressivo para a região, as proeminências podem ser reduzidas, com modificação óssea. Outro ponto chave nestas pacientes consiste no aumento da abertura vertical da órbita, modificando o olhar da paciente, tornando-o mais suave, dócil e feminino.

Tipos de Cirurgias

  • Frontoplastia Videoendoscópica

Na atualidade, é a técnica mais utilizada, pois como o procedimento é realizada através de videocirurgia, é possível se obter bons resultados com cicatrizes mínimas. Além da elevação das sobrancelhas, a musculatura da região da glabela também é suavizada, reduzindo as rugas nesta região. O uso da videoendoscopia para tratamento da região da testa e sobrancelhas revolucionou a técnica, pois um dos temores que existia entre as pacientes era o tamanho da incisão utilizada na técnica aberta convencional. A cirurgia é realizada através de pequenas incisões em áreas não aparentes no couro cabeludo.

  • Frontoplastia Aberta Convencional

Na técnica convencional, é realizada uma incisão tipo “tiara” ou “coroa” no couro cabeludo. É indicada para pessoas que além da queda das sobrancelhas e hipertrofia da musculatura da região glabelar, apresentam flacidez de pele na testa, ou seja, necessitarão da retirada de pele também.

Para pessoas com testa longa, a Frontoplastia promove avanço da linha capilar temporal, encurtando a região frontal. Nesses casos, a incisão se inicia dentro do cabelo, nas têmporas e ao atingir a testa é posicionada na transição entre o couro cabeludo e a pele da testa, a chamada incisão pré-triquial.

Nos casos em que os rebordos superiores da órbita são proeminentes, conferindo um olhar cansado ou agressivo, pode ser realizado o tratamento ósseo, com desbastamento do osso excessivo e aumento da altura da órbita, o que suaviza o olhar.

Piezocirurgia

Nos casos em que há necessidade de cirurgia óssea, com retirada ou reposicionamento de partes da região frontal, uma das preocupações dos pacientes é o risco de lesões, principalmente nervosas, durante o corte ósseo com serras. Modernamente se utiliza um equipamento ultrassônico para corte e desbaste do osso, o piezo. Tal método apresenta diversas vantagens sobre o método convencional, entre elas:

  • O corte e desbastamento ósseo é mais preciso;
  • Tal tecnologia proporciona corte e desbastamento ósseos sem lesão de estruturas moles como músculos, vasos, nervos etc., reduzindo o risco de lesões, pois a energia utilizada é ativa somente no osso, não cortando estruturas moles adjacentes;
  • O tratamento ósseo é menos traumático, fazendo com que o inchaço, manchas roxas e recuperação pós-operatória sejam menores.

 

  • Lifting Temporal

Nesta variante da técnica, são realizadas apenas incisões nas têmporas, dentro do cabelo. É indicada para tratamento isolado da flacidez nas regiões temporais e elevação das sobrancelhas, não tratando a musculatura glabelar.

Anestesia

Geralmente emprega-se a anestesia local com sedação assistida. Em casos selecionados pode ser utilizada a anestesia geral. Há possibilidade de que a escolha seja feita pelo paciente, todavia com prévia ponderação de sua conveniência com a equipe cirúrgica e anestésica.

Operação

O tempo cirúrgico é variável de paciente para paciente, mas em média dura em torno de 2 a 3 horas.

Associação com Blefaroplastia e outros procedimentos

É comum a associação da Frontoplastia com Blefaroplastia (cirurgia plástica das pálpebras) e outros procedimentos complementares como preenchimento de rugas, dermoabrasão, rinoplastias (cirurgia plástica do nariz), aplicação de toxina botulínica (Botox®) etc., os quais são chamados Procedimentos Ancilares.

Localização da cicatriz da operação

As cicatrizes, em sua maioria, situam-se dentro do cabelo, onde raramente são visíveis e em casos selecionados haverá uma cicatriz na transição entre o couro cabeludo e a pele da testa.

Quando utilizada a técnica videoendoscópica (maioria dos casos), haverá pequenas cicatrizes dentro do cabelo.

Período de internação

O período normal de internação é de 1 dia.

O pós-operatório é praticamente indolor, sendo que as dores, se houverem, serão facilmente combatidas com analgésicos comuns.

Período de Recuperação

É variável de pessoa para pessoa, mas em média gira em torno de 15 a 20 dias. A partir daí o paciente começa a ter condições para trabalhar, ainda que com restrições.

Curativos e faixa modeladora

São usados curativos com compressas úmidas. O grande curativo (tipo bandagem) é retirado nas primeiras 24 horas de pós-operatório, podendo ainda permanecer curativos leves sobre as cicatrizes residuais, caso sejam necessários. Uma faixa modeladora comprimindo suavemente a face é deixada por tempo prolongado (determinado pelo médico).

 Retirada dos pontos 

Em média, do 5º ao 14º dia.

Cuidado com os cabelos

Entre o 3º e o 7º dia de pós-operatório seus cabelos já poderão ser lavados e penteados, todavia esses atos devem ser desempenhados com cautela e delicadeza. Para secá-los, faça uso de secador manual com ar discretamente aquecido (nunca quente). Caso use tinturas, essas estarão liberadas apenas após a 3ª semana de pós-operatório.

Retorno às atividades esportivas

Pacientes submetidas à Frontoplastia podem retornar às atividades esportivas depois de decorridos 45 dias da cirurgia, porém devem observar restrição a exposição solar. No entanto deve se observar orientação estrita de não sofrer qualquer trauma na região frontal (testa).